domingo, 10 de abril de 2016

Jo 21,1-19 - Jesus no nosso quotidiano

Preparo-me para a Leitura Orante, orando com todos os internautas:

Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.
Creio, Senhor Jesus, que sou parte de seu Corpo.
Trindade Santíssima
- Pai, Filho, Espírito Santo -
presente e agindo na Igreja e na profundidade do meu ser.
Eu vos adoro, amo e agradeço.


1. Leitura (Verdade)

O que a Palavra diz?
Fixo o meu olhar em Deus, através da Palavra.
Faço a leitura lenta e atenta do texto da Palavra do dia: Jo 21,1-19.
Depois disso, Jesus apareceu outra vez aos seus discípulos, na beira do lago da Galileia. Foi assim que aconteceu:
Estavam juntos Simão Pedro e Tomé, chamado "o Gêmeo"; Natanael, que era de Caná da Galileia; os filhos de Zebedeu e mais dois discípulos. Simão Pedro disse aos outros:
- Eu vou pescar.
- Nós também vamos pescar com você! - disseram eles.
Então foram todos e subiram no barco, mas naquela noite não pescaram nada. De manhã, quando começava a clarear, Jesus estava na praia. Porém eles não sabiam que era ele. Então Jesus perguntou:
- Moços, vocês pescaram alguma coisa?
- Nada! - responderam eles.
- Joguem a rede do lado direito do barco, que vocês acharão peixe! - disse Jesus.
Eles jogaram a rede e logo depois já não conseguiam puxá-la para dentro do barco, por causa da grande quantidade de peixes que havia nela. Aí o discípulo que Jesus amava disse a Pedro:
- É o Senhor Jesus!
Quando Simão Pedro ouviu dizer que era o Senhor, vestiu a capa, pois havia tirado a roupa, e se jogou na água. Os outros discípulos foram no barco, puxando a rede com os peixes, pois estavam somente a uns cem metros da praia. Quando saíram do barco, viram ali uma pequena fogueira, com alguns peixes em cima das brasas. E também havia pão. Então Jesus disse:
- Tragam alguns desses peixes que vocês acabaram de pescar.
Aí Simão Pedro subiu no barco e arrastou a rede para a terra. Ela estava cheia, com cento e cinqüenta e três peixes grandes, e mesmo assim não se rebentou. Jesus disse:
- Venham comer!
Nenhum deles tinha coragem de perguntar quem ele era, pois sabiam que era o Senhor. Então Jesus veio, pegou o pão e deu a eles. E fez a mesma coisa com os peixes.
Foi esta a terceira vez que Jesus, depois de ter sido ressuscitado, apareceu aos seus discípulos.
Quando eles acabaram de comer, Jesus perguntou a Simão Pedro:
- Simão, filho de João, você me ama mais do que estes outros me amam?
- Sim, o senhor sabe que eu o amo, Senhor! - respondeu ele.
Então Jesus lhe disse:
- Tome conta das minhas ovelhas!
E perguntou pela segunda vez:
- Simão, filho de João, você me ama?
Pedro respondeu:
- Sim, o senhor sabe que eu o amo, Senhor!
E Jesus lhe disse outra vez:
- Tome conta das minhas ovelhas!
E perguntou pela terceira vez:
- Simão, filho de João, você me ama?
Então Pedro ficou triste por Jesus ter perguntado três vezes: "Você me ama?" E respondeu:
- O senhor sabe tudo e sabe que eu o amo, Senhor!
E Jesus ordenou:
- Tome conta das minhas ovelhas. Quando você era moço, você se aprontava e ia para onde queria. Mas eu afirmo a você que isto é verdade: quando for velho, você estenderá as mãos, alguém vai amarrá-las e o levará para onde você não vai querer ir.
Ao dizer isso, Jesus estava dando a entender de que modo Pedro ia morrer e assim fazer com que Deus fosse louvado.
Então Jesus disse a Pedro:
- Venha comigo! 
Refletindo
Em um momento de silêncio interior, recordo o que li.
É a terceira vez que Jesus ressuscitado aparece aos discípulos. O Mestre diz aos seis discípulos que estavam juntos, que jogassem a rede do lado direito do barco. Eles haviam passado a noite toda sem nada pescar. Eles tentaram e fizeram como Jesus lhes disse. Foi grande a quantidade de peixes que pescaram. Quem percebeu que era Jesus que lhes dera a ordem foi João: “É o Senhor!” disse ele a Pedro. Chegando à margem, os discípulos encontraram uma pequena fogueira e alguns peixes em cima da brasa. E Jesus lhes faz o convite para virem comer. Deu-lhes peixes e pão. Ele está vivo! Ele aparece na praia, entrando no quotidiano dos apóstolos: estavam trabalhando. Começava a clarear. À noite não pescaram nada. Quando Jesus chega, “começa a clarear”. Quer dizer, as coisas melhoram e melhoram muito: a pesca foi grande – 153 peixes grandes! Qual o simbolismo dos 153 peixes? Estudos esclarecem que havia naquele lago 153 espécies de peixes. Pescar, portanto esta quantidade de peixes, significava pecar de todas as espécies que havia. Não só muito, mas o máximo. Com Jesus Cristo podemos tudo. Sem Jesus não podemos muito ou nada.


2. Meditação (Caminho) 

O que a Palavra diz para mim?
Sob a luz da verdade – Jesus está vivo! – e participa do nosso quotidiano, de nossas dificuldades e conquistas, medito a Palavra, ligando-a à minha vida. Jesus também me alimenta e multiplica infinitamente o meu nada, minha “pescaria” às vezes sem resultados. E eu, como vivo tudo isto? Tenho fé? Percebo logo a ação de Deus? Em Aparecida, os bispos repetiram no texto conclusivo, as palavras de Bento XVI:Não tenham medo de Cristo! Ele não tira nada e nos dá tudo. Quem se dá a Ele, recebe cem por um. Sim, abram, abram de par em par as portas a Cristo e encontrarão a verdadeira vida”.(DAp 15).


3. Oração (Vida)

O que a Palavra me leva a dizer a Deus?
Meu coração já está em sintonia com o coração de Jesus. Vivo este momento em silêncio. E rezo:
Creio, Senhor, mas aumenta a minha fé


4. Contemplação (Vida/Missão)

Passarei o dia a olhar com fé cada acontecimento. Perceberei a ação de Jesus Ressuscitado em cada momento de meu dia.

Bênção
- Deus nos abençoe e nos guarde. Amém. 
- Ele nos mostre a sua face e se compadeça de nós. Amém. 
- Volte para nós o seu olhar e nos dê a sua paz. Amém. 
- Abençoe-nos Deus misericordioso, Pai e Filho e Espírito Santo. Amém. 

Ir. Patrícia Silva, fsp
patricia.silva@paulinas.com.br