quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Lc 12,39-48 - Fidelidade ou abuso de cargo?



- A nós, que nos encontramos nesta rede virtual, em torno da Palavra, a paz de Deus, nosso Pai, a graça e a alegria de Nosso Senhor Jesus Cristo, no amor e na comunhão do Espírito Santo.
- Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo!

Preparo-me para a Leitura, rezando:
Vem, Espírito Santo!
Vem e vence todo medo dentro de nós!
Coloca entusiasmo em nossa vida,
mansidão e serenidade em nosso coração.
Vem, Espírito Santo!
Faze de nós um só coração e uma só alma,
a fim de que o mundo creia em Jesus, Filho de Deus.
Vem, Espírito Santo!
Faze-nos amar as Escrituras,
para reconhecermos a voz viva de Jesus.
Torna-nos humildes e simples,
a fim de compreendermos
os mistérios do Reino de Deus.
Vem, Espírito Santo!
Maria está aqui conosco,
ela nos reúne e invoca por nós
o dom do Amor e o fogo do Espírito.


Vem, Espírito Santo! Amém!

1. Leitura (Verdade)
O que diz o texto do dia?
Leio atentamente, na Bíblia, o texto: Lc 12,39-48, e observo pessoas, palavras, relações, lugares.
Lembrem disto: se o dono da casa soubesse a que hora o ladrão viria, não o deixaria arrombar a sua casa. Vocês, também, fiquem alertas, porque o Filho do Homem vai chegar quando não estiverem esperando
Então Pedro perguntou:
- Senhor, essa parábola é só para nós ou é para todos?
O Senhor respondeu:
- Quem é, então, o empregado fiel e inteligente? É aquele que o patrão encarrega de tomar conta da casa e de dar comida na hora certa aos outros empregados. Feliz aquele empregado que estiver fazendo isso quando o patrão chegar! Eu afirmo a vocês que, de fato, o patrão vai colocá-lo como encarregado de toda a sua propriedade. Mas imaginem o que acontecerá se aquele empregado pensar que o seu patrão está demorando muito para voltar. E imaginem que esse empregado comece a bater nos outros empregados e empregadas e a comer e a beber até ficar bêbado. Então o patrão voltará no dia em que o empregado menos espera e na hora que ele não sabe. Aí o patrão mandará cortar o empregado em pedaços e o condenará a ir para o lugar aonde os desobedientes vão.
- O empregado que sabe qual é a vontade do patrão, mas não se prepara e não faz o que ele quer, será castigado com muitas chicotadas. Mas o empregado que não sabe o que o patrão quer e faz alguma coisa que merece castigo, esse empregado será castigado com poucas chicotadas. Assim será pedido muito de quem recebe muito; e, daquele a quem muito é dado, muito mais será pedido.
Refletindo
Jesus continua recomendando vigilância e fidelidade. O ladrão costuma vir à noite. A surpresa, normalmente, é seu recurso.Pedro fica em dúvida se a parábola é só para os discípulos ou é para todos. Na verdade, embora a vigilância seja coletiva (da casa), aplica-se a cada pessoa. Na parábola do texto de hoje, Jesus fala do empregado encarregado da casa e dos outros empregados. Poderá ser fiel ou abusar de seu cargo, sendo autoritário com seus dependentes e agindo com permissividade. O desconhecimento das ordens do patrão é atenuante : “será castigado com poucas chicotadas”. O que sabe qual é a vontade do patrão e não se prepara, nem faz o que ele quer, será castigado. Podemos concluir que ele próprio se condena.

2. Meditação (Caminho)
O que o texto diz para mim, hoje?
Qual palavra mais me toca o coração?
Entro em diálogo com o texto. Minha vida reflete o que o texto diz ou há contradições? O meu Projeto de vida é o do Mestre Jesus Cristo?
Meditando
Os bispos, em Aparecida, falaram da fidelidade a Jesus Mestre e de como o encontrá-lo: "Também o encontramos de um modo especial nos pobres, aflitos e enfermos (cf. Mt 25,37-40), que exigem nosso compromisso e nos dão testemunho de fé, paciência no sofrimento e constante luta para continuar vivendo. Quantas vezes os pobres e os que sofrem realmente nos evangelizam! No reconhecimento desta presença e proximidade e na defesa dos direitos dos excluídos encontra-se a fidelidade da Igreja a Jesus Cristo. O encontro com Jesus Cristo através dos pobres é uma dimensão constitutiva de nossa fé em Jesus Cristo. Da contemplação do rosto sofredor de Cristo neles e do encontro com Ele nos aflitos e marginalizados, cuja imensa dignidade Ele mesmo nos revela, surge nossa opção por eles. A mesma união a Jesus Cristo é a que nos faz amigos dos pobres e solidários com seu destino." (DAp 257).
Na Laudato sì o papa Francisco diz:
 O rico e o pobre têm igual dignidade, porque «quem os fez a ambos foi o Senhor»
(Pr 22, 2); «Ele criou o pequeno e o grande» (Sab 6, 7) e «faz com que o sol se levante

sobre os bons e os maus» (Mt 5, 45). (LS 94).

3.Oração (Vida)
O que o texto me leva a dizer a Deus?
Ó Deus,
Pai de todos os povos,
Vós que nos abraçais
Com a ternura de uma mãe,
Ouvi o clamor
Das multidões do mundo inteiro
Desejosas de vos conhecer
E vos amar.
Ensinai-nos a vos servir,
Na partilha da fé
E dos bens,
Que vós mesmos nos destes.
Amém.

4.Contemplação (Vida e Missão)
Qual meu novo olhar a partir da Palavra?
Vou olhar o mundo e a vida com os olhos de Deus. Vou assumir uma atitude de prontidão e atenção às manifestações de Deus.

Bênção

- Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
- Ele nos mostre a sua face e se compadeça de nós. Amém.
- Volte para nós o seu olhar e nos dê a sua paz. Amém.
- Abençoe-nos Deus misericordioso, Pai e Filho e Espírito Santo. Amém.

Ir. Patrícia Silva, fsp

patricia.silva@paulinas.com.br