sábado, 4 de maio de 2019

Jo 6,16-21 - Não tenham medo! Sou eu!



Graça e Paz!
Preparamo-nos para este momento muito  importante do nosso dia, invocando o Espírito Santo  para todos e todas que fazem esta mesma oração, nesta roda de Leitura Orante.

Vinde, Espírito Santo, e dai-nos o dom da sabedoria, 
para que possamos avaliar todas
as coisas à luz do Evangelho 

e ler nos acontecimento da vida os projetos de amor do Pai.
Dai-nos o dom do entendimento, uma compreensão mais profunda da verdade,
a fim de anunciar a salvação com maior firmeza e convicção.
Dai-nos o dom do conselho, que ilumina a nossa vida e
orienta a nossa ação segundo vossa Divina Providência.
Dai-nos o dom da fortaleza. sustentai-nos, 

no meio de tantas dificuldades, com vossa coragem,
para que possamos anunciar o Evangelho.
Dai-nos o dom da Ciência, para distinguir 

o único necessário das coisas meramente importantes.
Dai-nos o dom da piedade, 

para reanimar sempre mais nossa íntima comunhão convosco.
E, finalmente, dai-nos o dom do vosso santo temor, 

para que, conscientes de nossas fragilidades,
reconheçamos a força de vossa graça.
Vinde, Espírito Santo, e dai-nos um novo coração. Amém.

1. Leitura (Verdade) Façamos a Leitura da Palavra
O que diz o texto para nós?
Façamos a leitura  atenta do texto da Palavra: Jo 6,16-21.


Ao cair da tarde, os discípulos desceram ao mar. Entraram na barca e foram em direção a Cafarnaum, do outro lado do mar. Já estava escuro, e Jesus ainda não tinha vindo ao encontro deles. Soprava um vento forte, e o mar estava agitado. Os discípulos tinham remado mais ou menos cinco quilômetros quando enxergaram Jesus, andando sobre as águas e aproximando-se da barca. E ficaram com medo. Mas Jesus disse: “Sou eu. Não tenham medo”. Quiseram, então, recolher Jesus na barca, mas imediatamente a barca chegou à margem para onde estavam indo. 

Reflitamos
Estava escuro, fazia vento forte que levantava alto as ondas.O medo dominava os apóstolos. As primeiras comunidades cristãs tiveram dificuldade para reconhecer Jesus ressuscitado. O mar agitado indica as tribulações que os discípulos enfrentavam. Para aumentar o medo e a insegurança deles vem a noite, que representa a ausência do Mestre. Jesus não os abandona; deixa-os sozinhos durante quase todo o trajeto, para exercitá-los na fé. E vai até eles caminhando sobre o mar. Só Deus pode fazer isso. Jesus é senhor da natureza. Aqui se manifesta a divindade de Jesus. Ao dizer “Sou eu”, Jesus se identifica com o Deus libertador, que nunca abandonou o povo de Israel. Sem a presença de Jesus e sem a sólida fé dos missionários, qualquer missão está fadada a fracassar.

2. Meditação (Caminho)
O que o texto diz para nós, hoje?
Seguro alguma coisa que não quero partilhar, dividir? Nossa lógica é a do acúmulo, da centralização, do cada um por si, ou é a lógica de Jesus, da partilha, da mão que se abre? É a atitude da fé?

Meditando
Os bispos, na Conferência de Aparecida, disseram:
"Diante de todas as circunstâncias e condições de sua vida. Diante das estruturas de morte, Jesus faz presente a vida plena. "Eu vim para dar vida aos homens e para que a tenham em abundância" (Jo 10,10). Por isso, cura os enfermos, expulsa os demônios e compromete os discípulos na promoção da dignidade humana e de relacionamentos sociais fundados na justiça." (DAp 112).

3.Oração (Vida) 

O que o texto nos leva a dizer a Deus?
Nosso coração já está em sintonia com o coração de Jesus. Rezemos em silêncio. Coloquemos  o Senhor no lugar de todos os nossos medos e inseguranças.
Rezemos o Salmo 32
Sobre nós venha, Senhor, a vossa graça, / da mesma forma que em vós nós esperamos!

  1. Ó justos, alegrai-vos no Senhor! / Aos retos fica bem glorificá-lo. / Dai graças ao Senhor ao som da harpa, / na lira de dez cordas celebrai-o! – R.
  2. Pois reta é a palavra do Senhor, / e tudo o que ele faz merece fé. / Deus ama o direito e a justiça, / transborda em toda a terra a sua graça. – R.
  3. O Senhor pousa o olhar sobre os que o temem / e que confiam, esperando em seu amor, / para da morte libertar as suas vidas / e alimentá-los quando é tempo de penúria. – R.
4. Contemplação (Vida)
Qual o nosso novo olhar a partir da Palavra?
Nosso novo olhar é de fé, para os outros, para as pessoas que encontrarmos no dia de hoje. Nossas mãos vão estar abertas como as do menino do Evangelho que ofereceu os pães de seu lanche e Jesus multiplicou para cinco mil pessoas.
Frase para lembrarmos no dia de hoje: "Sou eu, não tenham medo"

Bênção

- Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
- Ele nos mostre a sua face e se compadeça de nós. Amém.
- Volte para nós o seu olhar e nos dê a sua paz. Amém.
- Abençoe-nos Deus misericordioso, Pai e Filho e Espírito Santo. Amém
.



Ir. Patrícia Silva, fsp
irpatricias@gmail.com