domingo, 2 de junho de 2019

Lc 24,46-53 - Vocês são testemunhas (Ascensão)


53º Dia Mundial das Comunicações Sociais

"Somos membros uns dos outros"

- A todos nós, a paz de Deus, nosso Pai,
a graça e a alegria de Nosso Senhor Jesus Cristo,
no amor e na comunhão do Espírito Santo.
- Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo!

Canto: Por tudo dai graças, por tudo dai graças, dai graças por tudo, dai graças (1Ts 5,18).
(CD Palavras Sagradas de Paulo Apóstolo - Frei Luíz Turra , Paulinas Comep).

Preparamo-nos para a Leitura Orante pensando nas muitas comunidades que, no mundo inteiro celebram a solenidade da Ascensão do Senhor! E pedimos as luzes ao Espírito Santo:
Espírito de verdade,
a ti consagramos a mente e nossos pensamentos: ilumina-nos.
Que conheçamos Jesus Mestre
e compreendamos o seu Evangelho. Amém.

1. Leitura (Verdade)
O que diz o texto do Evangelho?
Lemos atentamente o texto: Lc 24,43-56, e observamos pessoas, palavras, relações, lugares. Diz o texto:
E disse:
- O que está escrito é que o Messias tinha de sofrer e no terceiro dia ressuscitar. E que, em nome dele, a mensagem sobre o arrependimento e o perdão dos pecados seria anunciada a todas as nações, começando em Jerusalém. Vocês são testemunhas dessas coisas. E eu lhes mandarei o que o meu Pai prometeu. Mas esperem aqui em Jerusalém, até que o poder de cima venha sobre vocês.
Então Jesus os levou para fora da cidade até o povoado de Betânia. Ali levantou as mãos e os abençoou. Enquanto os estava abençoando, Jesus se afastou deles e foi levado para o céu. Eles o adoraram e voltaram para Jerusalém cheios de alegria. E passavam o tempo todo no pátio do Templo, louvando a Deus.
Refletindo
Este texto nos faz pensar que todo cristão é chamado a um encontro com Jesus, à conversão, ao discipulado, à comunhão e à missão. 

2. Meditação (Caminho)
O que o texto diz para nós, hoje?
O texto nos diz que também nós somos pessoas convocadas para serem discípulas e missionárias de Jesus. 
Meditando
O papa Francisco, na mensagem para o dia de hoje, afirma: "Como cristãos, todos nos reconhecemos como membros do único corpo cuja cabeça é Cristo. Isto ajuda-nos a não ver as pessoas como potenciais concorrentes, considerando os próprios inimigos como pessoas. Já não tenho necessidade do adversário para me autodefinir, porque o olhar de inclusão, que aprendemos de Cristo, faz-nos descobrir a alteridade de modo novo, ou seja, como parte integrante e condição da relação e da proximidade.
Uma tal capacidade de compreensão e comunicação entre as pessoas humanas tem o seu fundamento na comunhão de amor entre as Pessoas divinas. Deus não é Solidão, mas Comunhão; é Amor e, consequentemente, comunicação, porque o amor sempre comunica; antes, comunica-se a si mesmo para encontrar o outro. Para comunicar conosco e se comunicar a nós, Deus adapta-se à nossa linguagem, estabelecendo na história um verdadeiro e próprio diálogo com a humanidade (cf. Conc. Ecum. Vat. II, Const. dogm. Dei Verbum, 2).
Em virtude de termos sido criados à imagem e semelhança de Deus, que é comunhão e comunicação-de-si, trazemos sempre no coração a nostalgia de viver em comunhão, de pertencer a uma comunidade."

3.Oração (Vida)
O que o texto nos leva a dizer a Deus? O texto e a reflexão nos sugerem que façamos a Deus Criador e autor de todo bem, a oração:

Senhor, tu nos chamas para sermos pontes,
a partir da nossa identidade de "Igreja em saída".
Como filhos de Deus, somos chamados a nos comunicar com todos, 
sem exclusão. 

Jesus Mestre, tu nos convocaste para a comunhão, 
o diálogo, a solidariedade e a misericórdia. 
Por isso, nosso serviço não pode expressar orgulho, dominação, competição. 

Queremos ser misericordiosos, Senhor, como o Pai, 
para ajudar a reduzir as adversidades da vida e 
dar calor aos que têm conhecido apenas a frieza do julgamento. 

Queremos amar as pessoas mais pelo que são 
do que pelas suas capacidades e os nossos sucessos. 

Queremos, Senhor, nos comunicar pela escuta. 
Queremos escutar sendo capazes de compartilhar questões e dúvidas, 
caminhar lado a lado, 
libertar-nos de qualquer presunção de onipotência e
colocar, humildemente, nossas próprias capacidades 
e dons a serviço do bem comum.

Que o ambiente digital seja uma praça, um lugar de encontro, 
onde é possível acariciar, realizar uma discussão proveitosa. 

Que a misericórdia, «nos torne mais abertos ao diálogo, 
para melhor nos conhecermos e compreendermos; 
elimine todas as formas de fechamento e desprezo 
e expulse todas as formas de violência e discriminação. 

Que o poder da comunicação definido como «proximidade»

Que o encontro entre comunicação e misericórdia, num mundo dividido, fragmentado, polarizado, gere uma proximidade que cuida, conforta, cura, acompanha e faz festa entre os filhos de Deus e irmãos. Amém.

4.Contemplação (Vida e Missão)
Agora, neste momento de contemplação, nos perguntamos: Qual o nosso novo olhar, a partir da leitura, meditação e oração da Palavra?
O papa Francisco nos propõe um olhar novo sobre o uso das redes digitais. "A imagem do corpo e dos membros recorda-nos que o uso da social web é complementar do encontro em carne e osso, vivido através do corpo, do coração, dos olhos, da contemplação, da respiração do outro. Se a rede for usada como prolongamento ou expectativa de tal encontro, então não se atraiçoa a si mesma e permanece um recurso para a comunhão. Se uma família utiliza a rede para estar mais conectada, para depois se encontrar à mesa e olhar-se olhos nos olhos, então é um recurso. Se uma comunidade eclesial coordena a sua atividade através da rede, para depois celebrar, juntos, a Eucaristia, então é um recurso. Se a rede é uma oportunidade para me aproximar de casos e experiências de bondade ou de sofrimento distantes fisicamente de mim, para rezar juntos e, juntos, buscar o bem na descoberta daquilo que nos une, então é um recurso." (Mensagem do 53º DMCS).
Este é o novo olhar!

Bênção
A bênção do Deus de Sara, Abraão e Agar,
a bênção do Filho, nascido de Maria,
a bênção do Espírito Santo de amor,
que cuida com carinho,
qual mãe cuida da gente,
esteja sobre todos nós. Amém!

Canto: Toda língua proclame Jesus Cristo é Senhor para a glória de Deus Pai. (Fl 2,11).

Ir. Patrícia Silva, fsp
patricia.silva@paulinas.com.br