terça-feira, 10 de março de 2020

Mt 23,1-12 - Um só Pai, um só Mestre!

Preparo-me para a Leitura Orante, cumprimentando,
com todos os internautas,
a Jesus, como Mestre:MÚSICA 0: Põe teu coração no meu (BG)

Passo a passo, a caminho com Jesus,
chegamos à 2ª Semana da quaresma 
quando, hoje,  
pedimos a graça de saber caminhar sob o impulso da vida, 
conscientes de
poder fazer parte de uma "mar de vida"
incrivelmente belo e inspirador.

Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.
Creio, Senhor Jesus, que sou parte de seu Corpo.
Trindade Santíssima
- Pai, Filho, Espírito Santo -
presente e atuante na Igreja e na profundidade do meu ser.
Eu vos adoro, amo e agradeço.

Em silêncio e na solidão.
Inclinamos a cabeça. Fechamos os olhos.
Respiramos suavemente, e olhamos
através da imaginação,
para dentro do nosso coração.
Repetimos, respirando:
“Senhor Jesus, tem piedade de nós".

Agora, ouçamos o que ele, o Senhor nos diz
Neste tempo de repouso do nosso coração no de Jesus, 
em silêncio,
 ouvimos o que ele nos quer comunicar.


Preparamo-nos para nosso momento de oração
com o pedido de Raul Follereau
Quem foi Raoul Follereau?
Foi um escritor, jornalista francês, conhecido por ter fundado uma associação de luta contra a lepra. em 1967, que ajuda em particular nos países de África.
Durante a Segunda Guerra Mundial,  para ajudar os leprosos escondeu-se num convento de religiosas em Lyon, onde a sua profissão era jardineiro, embora não soubesse nada de jardinagem. 
Depois, decidiu correr mundo a fazer conferências acerca da lepra, e em 1953, foi fundada uma cidade, chamada Adzopé, onde os leprosos eram tratados e curados. Quando ele se aproximava destes doentes, eles de início ficavam desconfiados, mas depois viam que ele queria mesmo ajudá-los e lhe chamavam de Pai Raoul. Uma frase de Follereau  era: 
"Ser feliz é fazer os outros felizes". 
Faleceu em Paris em 6 de dezembro de 1977.
Rezemos com Raoul Follereau:

Senhor, ensina-nos 
a não amar somente os que são nossos,
a não amar somente os que amamos.
Ensina-nos a pensar nos outros e a
amar, em primeiro lugar,
aqueles a quem ninguém ama.
Em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo.

Música: Aos tristes e infelizes - Padre Zezinho, scj

1. Leitura (Verdade)
- O que a Palavra diz?
Lemos com atenção, o texto de hoje em Mt 23,1-12.

Então Jesus falou à multidão e aos seus discípulos. Ele disse:
- Os mestres da Lei e os fariseus têm autoridade para explicar a Lei de Moisés. Por isso vocês devem obedecer e seguir tudo o que eles dizem. Porém não imitem as suas ações, pois eles não fazem o que ensinam. Amarram fardos pesados e os põem nas costas dos outros, mas eles mesmos não os ajudam, nem ao menos com um dedo, a carregar esses fardos. Tudo o que eles fazem é para serem vistos pelos outros. Vejam como são grandes os trechos das Escrituras Sagradas que eles copiam e amarram na testa e nos braços! E olhem os pingentes grandes das suas capas! Eles preferem os melhores lugares nos banquetes e os lugares de honra nas sinagogas. Gostam de ser cumprimentados com respeito nas praças e de ser chamados de "mestre". Porém vocês não devem ser chamados de "mestre", pois um só é o vosso Mestre e todos vós sois irmãos.
 E aqui na terra não chamem ninguém de pai porque vocês têm somente um Pai, que está no céu. Vocês não devem também ser chamados de "líderes" porque vocês têm um líder, o Messias. Entre vocês, o mais importante é aquele que serve os outros. Quem se engrandece será humilhado, mas quem se humilha será engrandecido.

Refletindo

O Evangelho de hoje nos faz ver que existem falsos senhores e falsos mestres que podem arruinar a nossa vida e nos levar a romper laços de comunhão com os outros e com Deus.
O fariseu vive uma religião que o leva a centrar-se em si mesmo ou seja, uma religião  na qual  o único interesse é a observância das leis e das tradições, de maneira que  em função disso, torna-se o juiz dos demais. O fariseu se coloca num pedestal de superioridade a partir do qual olha e despreza os demais, despreza todo aquele que não consegue ser fiel na observância de normas e leis
. O que lhe interessa é brilhar diante dos homens. A única coisa que o preocupa é sua boa imagem diante das pessoas. Quer ser visto, apreciado, louvado. Não tem outro Deus a não ser ele mesmo. Mas, o pior é que o fariseu vê tudo isso como graça de Deus.
Jesus desmascara a ideia que os fariseus tinham de Deus e põe às claras o "farisaismo" que desumaniza Deus, nos desumaniza e desumaniza os outros.
Para um bom fariseu a imagem de Deus não estava centrada na misericórdia, mas no julgamento, entendido como característica do Deus justiceiro, castigador, implacável com os pecadores, com as pessoas de má fama. Daí surge a ideia de um Deus severo, ameaçador, vingativo, inimigo da vida. Um Deus assim causa um medo aterrador. Uma religião com essa tonalidade faz com que as pessoas se sintam mal, às vezes por coisas sem importância. Mais ainda:  envenena a convivência de uns com os outros, criando divisões, suspeitas, pré-juizos, situações violentas, exclusão, com um refinamento de hipocrisia.

Meditação (Caminho)
- O que a Palavra diz para nós? Estamos livres do farisaísmo?
Se formos honestos, honestas, vamos admitir que todos nós carregamos um fariseu dentro de nós. Os fariseus não são só uma recordação do passado. Continuam vivendo em cada um de nós, continuam naqueles que  vivem e exigem uma religiosidade marcada por observâncias, ritualismos, moralismos, títulos e se consideram bons para julgar os demais.
Meditando
O papa Francisco na Laudato sì , lembra: "Ser Igreja é ser povo de Deus, de acordo com o grande projeto do Pai. A Igreja deve ser o lugar da misericórdia, onde todos possam sentir-se acolhidos, amados, perdoados e animados a viverem segundo a vida boa do Evangelho" (LS 114).
Jesus se apresenta como um Mestre diferente. Ele é a Verdade, o Caminho e a Vida. Nele podemos confiar.

3. Oração (Vida)

- O que a Palavra nos leva a dizer a Deus?
Rezamos com toda a Igreja
Deus e Pai,
nós vos louvamos pelo vosso infinito amor
e vos agradecemos por ter enviado Jesus,
o Filho amado, nosso irmão.

Ele veio trazer paz e fraternidade à terra
e, cheio de ternura e compaixão,
sempre viveu relações repletas
de perdão e misericórdia.

Derrama sobre nós o Espírito Santo,
para que, com o coração convertido,
acolhamos o projeto de Jesus
e sejamos construtores de uma sociedade
justa e sem violência,
para que, no mundo inteiro, cresça
o vosso Reino de liberdade, verdade e de paz.
Amém!

Ou, rezo o Salmo do dia: 84

A glória do Senhor habitará em nossa terra.

Quero ouvir o que o Senhor irá falar: / é a paz que ele vai anunciar. / Está perto a salvação dos que o temem, / e a glória habitará em nossa terra. – R.
A verdade e o amor se encontrarão, / a justiça e a paz se abraçarão; / da terra brotará a fidelidade, / e a justiça olhará dos altos céus. – R.
O Senhor nos dará tudo o que é bom, / e a nossa terra nos dará suas colheitas; / a justiça andará na sua frente / e a salvação há de seguir os passos seus. – R.

Música: Cantiga de paz interior - Pe. Zezinho, scj

4.Contemplação (Vida)
- Qual o nosso novo olhar a partir da Palavra? Qual é a imagem de Deus que eu tenho? É a imagem do Deus dos fariseus ( castigador, ameaçador, juiz implacável?  Ou a imagem do Deus de Jesus? Misericordioso, acolhedor, Pai de bondade?
No dia de hoje e sempre vou me relacionar com o Deus de Jesus, Deus Pai, Deus cheio de amor e vida.

Bênção
Recebamos agora a bênção do cardeal Sérgio da Rocha pedindo a graça de saber "escutar" Jesus.

Bênção   DO CARDEAL SÉRGIO DA ROCHA (com BG):
Senhor, nosso Deus, concedei-nos nesta quaresma a graça da conversão e da reconciliação por meio da oração, da penitencia e da caridade. Dai-nos a graça de aprender convosco a  ser livres para amar, acolhendo a vida como dom e compromisso, valorizando e defendendo a vida, especialmente onde ela se encontra mais fragilizada e sofrida. Isto vos pedimos, em nome do Pai, e do Filho e do Espirito Santo. Amém.