terça-feira, 2 de março de 2010

Mt 23,1-12 - No cume de todas as referências, o Mestre!

Preparo-me para a Leitura Orante, cumprimentando Jesus, como Mestre:
Jesus Mestre, Verdade, Caminho e Vida, tende piedade de nós.
1. Leitura (Verdade)
- O que a Palavra diz?
Leio com atenção o texto de hoje em Mt 23,1-12.
Então Jesus falou à multidão e aos seus discípulos. Ele disse:
- Os mestres da Lei e os fariseus têm autoridade para explicar a Lei de Moisés. Por isso vocês devem obedecer e seguir tudo o que eles dizem. Porém não imitem as suas ações, pois eles não fazem o que ensinam. Amarram fardos pesados e os põem nas costas dos outros, mas eles mesmos não os ajudam, nem ao menos com um dedo, a carregar esses fardos. Tudo o que eles fazem é para serem vistos pelos outros. Vejam como são grandes os trechos das Escrituras Sagradas que eles copiam e amarram na testa e nos braços! E olhem os pingentes grandes das suas capas! Eles preferem os melhores lugares nos banquetes e os lugares de honra nas sinagogas. Gostam de ser cumprimentados com respeito nas praças e de ser chamados de "mestre". Porém vocês não devem ser chamados de "mestre", pois todos vocês são membros de uma mesma família e têm somente um Mestre. E aqui na terra não chamem ninguém de pai porque vocês têm somente um Pai, que está no céu. Vocês não devem também ser chamados de "líderes" porque vocês têm um líder, o Messias. Entre vocês, o mais importante é aquele que serve os outros. Quem se engrandece será humilhado, mas quem se humilha será engrandecido

Jesus se apresenta como um Mestre diferente. Interessante o comentário sobre a expressão “um só é o vosso mestre” do pregador da Casa Pontifícia, padre Raniero Cantalamessa OFM Cap. Diz ele:
No Evangelho, os títulos de Cristo são como lados de um prisma, cada um dos quais reflete uma «cor» particular, isto é, um aspecto de sua realidade íntima. Neste texto, encontramo-nos com o importante título de Mestre «Um só é vosso Mestre, o Cristo». Entre os artistas e certas categorias de profissionais, o nome do mestre em cuja escola se tenha formado é uma das coisas das quais se está mais orgulhoso e se põe na reunião das próprias referências. Mas a relação mestre-discípulo era ainda mais importante nos tempos de Jesus, quando não havia livros e toda a sabedoria se transmitia por via oral.
Em um ponto Jesus se distancia, contudo, do que ocorria em seu tempo entre o mestre e os discípulos. Estes pagavam, por assim dizer, os estudos servindo ao mestre, fazendo por ele pequenos encargos e prestando-lhe os serviços que um jovem pode fazer a um ancião, entre os que estava lavar-lhe os pés. Com Jesus sucede ao contrário: é ele quem serve aos discípulos e lhes lava os pés. Jesus não é verdadeiramente da categoria dos mestres que «dizem e não fazem». Ele não disse a seus discípulos que fizessem nada que não tivesse feito ele mesmo. É o contrário dos mestres admoestados na passagem do Evangelho de hoje, que «atam cargas pesadas e as deixam às costas das pessoas, mas eles nem com o dedo querem movê-las». Não é um desses sinais de trânsito que indicam a direção na qual andar, sem mover-se um centímetro.
Por isso Jesus pode dizer com toda verdade: «Aprendei de mim». Mas o que quer dizer que Jesus é o único mestre? Não quer que este título não deva ser utilizado de agora em diante por nenhum outro, que ninguém tem direito de fazer-se chamar mestre. Quer dizer que nenhum tem direito de fazer-se chamar Mestre com M maiúsculo, como se fosse o proprietário último da verdade e ensinasse em nome próprio a verdade sobre Deus. Jesus é a suprema e definitiva revelação de Deus aos homens que contém em si todas as revelações parciais que se tiveram antes ou depois dele. Não se limitou a revelar-nos quem é Deus, também nos disse o que quer Deus, qual é sua vontade em nós. Isto há que recordar ao homem de hoje tentado de relativismo ético. João Paulo II o fez com a encíclica O esplendor da verdade [«Veritatis splendor», 6 de agosto de 1993. Ndr] e seu sucessor, Bento XVI, não se cansa de insistir nisso. (...)
Um fruto pessoal da reflexão de hoje sobre o Evangelho será redescobrir que honra, que privilégio inaudito, que «título de recomendação» é, ante Deus, ser discípulos de Jesus de Nazaré. Ponhamos também nós isso no cume de todas nossas «referências». Que vendo-nos ou ouvindo-nos qualquer um possa dizer de nós o que a mulher disse a Pedro no átrio do Sinédrio: «Também tu és um de seus discípulos. Tua própria fala [melhor se puder acrescentar: tua atuação] te denuncia» (Cf. Mt 26, 73).
(Original italiano publicado por «Famiglia Cristiana».)


2. Meditação(Caminho)
- O que a Palavra diz para mim?
Considero, como reflete o padre Raniero, um privilégio, um título especial, ser discípulo de Jesus. Mas, devo ser bastante coerente e admitir que nem sempre vivo bem esta honra.


3. Oração (Vida)
- O que a Palavra me leva a dizer a Deus?
Rezo agora a
Rezo com toda Igreja a Oração da CF 2010
Ó Deus criador, do qual tudo nos vem, nós te louvamos pela beleza e perfeição de tudo que existe como dádiva gratuita para a vida.
Nesta Campanha da Fraternidade Ecumênica, acolhemos a graça da unidade e da convivência fraterna, aprendendo a ser fiéis ao Evangelho.
Ilumina, ó Deus, nossas mentes para compreender que a boa nova que vem de ti é amor, compromisso e partilha entre todos nós, teus filhos e filhas.
Reconhecemos nossos pecados de omissão diante das injustiças que causam exclusão social e miséria.
Pedimos por todas as pessoas que trabalham na promoção do bem comum e na condução de uma economia a serviço da vida.


4. Contemplação(Vida/ Missão)
- Qual o meu novo olhar a partir da Palavra?
Vou vivenciar o meu ser discípulo de Jesus Mestre vivendo a fraternidade.
E colocarei no cume de todas as minhas «referências» Jesus Mestre.

Obs.: Se você quiser receber em seu endereço eletrônico o Evangelho do Dia, acesse o seguinte endereço e preencha o formulário de cadastro - http://www.paulinas.org.br/loja/CentralUsuarioLogin.aspx

Nenhum comentário: