segunda-feira, 16 de março de 2020

Lc 4,24-30 - Passo a passo com Jesus na sinagoga de Nazaré

Passo a passo, a caminho com Jesus,
Estamos começando a 3ª semana da quaresma 
quando, hoje,  contemplamos algo estranho: Jesus é rejeitado em sua própria casa

Também ali, caminhamos passo a passo com Jesus.
Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.
Creio, Senhor Jesus, que sou parte de seu Corpo,
membro da Igreja viva.
Trindade Santíssima
- Pai, Filho, Espírito Santo -
presente e atuante na Igreja e na profundidade do meu ser.
Eu vos adoro, amo e agradeço. 
Em silêncio
fechemos os olhos.
respiremos suavemente, e olhemos
através da imaginação,
para dentro do nosso coração.
Repitamos, respirando:
“Senhor Jesus, tem piedade de nós".(pausa)
E ouçamos o que ele nos diz




E Ele, Jesus que acolhe o nosso coração, tem mais a nos dizer. Veja em Lc 4,24-30.


1. Leitura (Verdade)
- O que a Palavra diz?
Lemos agora, o texto Lc 4,24-30
E Jesus diz:
- Eu afirmo a vocês que isto é verdade: nenhum profeta é bem recebido na sua própria terra. Eu digo a vocês que, de fato, havia muitas viúvas em Israel no tempo do profeta Elias, quando não choveu durante três anos e meio, e houve uma grande fome em toda aquela terra. Porém Deus não enviou Elias a nenhuma das viúvas que viviam em Israel, mas somente a uma viúva que morava em Sarepta, perto de Sidom. Havia também muitos leprosos em Israel no tempo do profeta Eliseu, mas nenhum deles foi curado. Só Naamã, o sírio, foi curado.
Quando ouviram isso, todos os que estavam na sinagoga ficaram com muita raiva. Então se levantaram, arrastaram Jesus para fora da cidade e o levaram até o alto do monte onde a cidade estava construída, para o jogar dali abaixo. Mas ele passou pelo meio da multidão e foi embora.
Refletindo
Os ouvintes de Jesus entenderam que teriam que mudar, se transformar. Eles estavam tranquilos até então. Na verdade, os moradores de Nazaré estavam fechados  e nos oferecem uma  imagem daquilo que com frequência, também nós vivemos: fazemos julgamentos, somos preconceituosos, intolerantes a quem pensa diferente, sente e vive de maneira diferente.
As palavras de Jesus na sinagoga de Nazaré nos questionam também hoje. Para que vivemos? Para quem vivemos? Nossa maneira de viver é provocativa ou inspiradora?
Nas sinagogas modernas (os meios de comunicação, o rádio, as redes sociais.)  temos oportunidade de dizer coisas que ampliam a vida. elevam o outro, abrem horizontes, oportunidade de  despertar mudanças, buscar o novo.
A incredulidade provocou o ensinamento de Jesus. Este, por sua vez, incomodou. Na sinagoga de Nazaré, Jesus diz: "Eu afirmo a vocês que isto é verdade: nenhum profeta é bem recebido na sua própria terra". E ali, em sua terra natal, é rejeitado. Inclusive, é expulso da cidade e tentam matá-lo.
Infelizmente, como no tempo de Jesus, também entre nós, existem estas atitudes ásperas de julgamento, indiferença, preconceito e intolerância.
Olhemos para o papa Francisco. Em relação a ele encontramos atitudes de soberba disfarçada de verdade, o conservadorismo farisaico que provoca distâncias, o medo camuflado de firmeza, as inseguranças, julgamentos    alimentando divisões. Estas atitudes nunca deixam espaço para o novo, o "aggiornamento" ( atualização) como dizia o Santo João XXIII. A renovação torna-se impossível. Nesses ambientes disfarçados em ortodoxia, prevalecem o fundamentalismo, o moralismo, o legalismo... Nem o Espírito Santo tem espaço para atuar e inspirar "palavras de vida".
Jesu foi deletado da sua comunidade porque quis pensar e agir de maneira diferente. Seu anúncio  e suas opções rompiam com os esquemas mentais arcaicos e petrificados, enrijecidos.


2. Meditação(Caminho)
- O que a Palavra diz para mim?

A rejeição pelos conterrâneos, que deveriam acolhê-lo por primeiro, fez com que Jesus se dirigisse a outras pessoas que queriam ouvi-lo e viver sua proposta. Uma pergunta que podemos nos fazer: Estamos entre os conterrâneos de Jesus ou entre as "outras pessoas"?
Dentro das nossas sinagogas modernas é preciso alimentar mais o respeito, o cuidado, a irradiação não da rejeição, mas do amor.
Jesus não quis  deixar o mundo como o encontrou.Por isso envolveu-o de misericórdia, paz e amor sem medidas.
Meditando
Vamos convidar o papa Francisco para nos ajudar na meditação. Ele diz  na Evangelii gaudium:  "No mundo atual, com a velocidade das comunicações e a seleção interessada dos conteúdos feita pelos mass-media, a mensagem que anunciamos corre mais do que nunca o risco de aparecer mutilada e reduzida a alguns dos seus aspectos secundários. Consequentemente, algumas questões que fazem parte da doutrina moral da Igreja ficam fora do contexto que lhes dá sentido. O problema maior ocorre quando a mensagem que anunciamos parece então identificada com tais aspectos secundários, que, apesar de serem relevantes, por si sozinhos não manifestam o coração da mensagem de Jesus Cristo. Portanto, convém ser realistas e não dar por suposto que os nossos interlocutores conhecem o horizonte completo daquilo que dizemos ou que eles podem relacionar o nosso discurso com o núcleo essencial do Evangelho que lhe confere sentido, beleza e fascínio." (EG 34).
No núcleo fundamental da Palavra sobressai a beleza do amor salvífico de Deus manifestado em Jesus Cristo morto e ressuscitado" (EG 36).

O papa fala de um mundanismo espiritual na Evangelii gaudium:
"O mundanismo espiritual, que se esconde por detrás de aparências de religiosidade e até mesmo de amor à Igreja, é buscar, em vez da glória do Senhor, a glória humana e o bem-estar pessoal." (EG 93).

É uma tremenda corrupção, com aparências de bem. Devemos evitá-lo, pondo a Igreja em movimento de saída de si mesma, de missão centrada em Jesus Cristo, de entrega aos pobres. Deus nos livre de uma Igreja mundana sob vestes espirituais ou pastorais! Este mundanismo asfixiante cura-se saboreando o ar puro do Espírito Santo, que nos liberta de estarmos centrados em nós mesmos, escondidos numa aparência religiosa vazia de Deus. Não deixemos que nos roubem o Evangelho! (EG 97)
Sobre Deus não sabemos muitas coisas. O que sabemos nos ensinou Jesus. Quando nos deixamos  tocar por Deus, descobrimos que ele é paz. Quando nos deixamos nos iluminar pelo Evangelho enxergamos  grande Luz.




3. Oração (Vida)
- O que a Palavra nos leva a dizer a Deus?
Façamo-nos agora, presentes na sinagoga de Nazaré. Deixemo-nos embeber  pela presença de Jesus. Deixemo-nos envolver pelas palavras e gestos de Jesus. E nos perguntemos: como Jesus, a minha presença  desperta amor no coração das pessoas? Desperta nelas o gosto por viver? (pausa)

Deus, nosso Pai, fonte da vida e princípio do bem viver,
criastes o ser humano e lhe confiastes o mundo como um jardim a ser cultivado com amor.

Dai-nos um coração acolhedor para assumir a vida como dom e compromisso.

Abri nossos olhos para ver as necessidades dos nossos irmãos e irmãs,
sobretudo dos mais pobres e marginalizados.

Ensinai-nos a sentir verdadeira compaixão expressa no cuidado fraterno,
próprio de quem reconhece no próximo o rosto do vosso Filho.

Inspirai-nos palavras e ações para sermos construtores de uma nova sociedade,
reconciliada no amor.


4. Contemplação(Vida/ Missão)
- Qual o meu novo olhar a partir da Palavra?
Hoje, na Sinagoga com Jesus, temos o coração aberto ao verdadeiro amor, abraçamos a proposta de Jesus , e para sermos fieis passo a passo com Ele,
recebemos  a bênção do cardeal Sérgio da Rocha 

Bênção   DO CARDEAL administrador apostólico de Brasilia, Dom SÉRGIO DA ROCHA (com BG):

Senhor, nosso Deus, concedei-nos nesta quaresma a graça da conversão e da reconciliação por meio da oração, da penitencia e da caridade. Dai-nos a graça de aprender convosco a  ser livres para amar, acolhendo a vida como dom e compromisso, valorizando e defendendo a vida, especialmente onde ela se encontra mais fragilizada e sofrida. Isto vos pedimos, em nome do Pai, e do Filho e do Espirito Santo. Amém.

MÚSICA 4: HINO AO AMOR - Pe. Zezinho, scj